"Se não jogar, o gringo leva… Se jogar, a torcida queima?"

"Se não jogar, o gringo leva… Se jogar, a torcida queima?"

Saudações, caros filhos da grande Nação! Sei que tenho uma dívida com vocês, mas aqui estou. E hoje quero falar um pouco sobre os nossos garotos, afinal, uma de minhas alcunhas no Flacast é “O defensor da Base”, não é verdade?

 Após as lesões de todos os nossos meias armadores, exceto o Gérson, que veio por último; as dúvidas que pairavam sobre mais de quarenta milhões de cabeças e a de Jorge Jesus eram: escalar Trauco como meia, repetir Rafinha nessa posição, usar Berrio ou Lucas Silva ou ainda lançar Reinier? Tínhamos uma partida de suma importância contra o Emelec, com um placar adverso para virarmos, enfim, muita coisa em jogo. Ainda havia alguma esperança de termos Éverton Ribeiro e Arrascaeta de volta, mas nada era certo.

 A discussão que se seguiu foi que provavelmente Jesus não repetiria Rafinha na meia direita/ala com Rodinei de lateral, porque não deu certo em Guayaquil, Rafinha não jogava assim há anos e Rodinei está execrado pela torcida. Usar esta mesma tática no lado oposto também parecia improvável, já que Trauco treinou menos com o Mister por estar na época de sua chegada, disputando a Copa América. Usar Berrio ou Lucas Silva faria o lusitano sair um pouco de suas convicções. Restava Reinier.

 É aqui que entro com minhas ideias. Eu escalaria a nossa jóia junto com Gérson na criação. Deixaria Arão com Cuéllar na proteção e manteria a dupla de ataque com Gabigol e Bruno Henrique. Acho isso mais coerente do que usar Berrio ou Lucas Silva, que em minha opinião, seriam mais úteis como peças para contra ataque. Lucas Silva ainda meio que cai na mesma questão que o Reinier, que já falarei. Trauco eu deixaria no banco como opção para emergência. Renê seria mais útil por marcar melhor. Rafinha rende mais em sua posição de origem.

 Acontece que muitos acham que usar a base em certos momentos é complicado. Especialmente quando se trata de um possível novo grande craque como Reinier. Já acho justamente o contrário: se tem qualidade, por que não usar? E não seria nada precipitado dada as circunstâncias em que nos encontrávamos, um departamento médico repleto de jogadores e o elenco sem armadores. Outra coisa: não aproveitando a base, sempre temos riscos de perder eles para o exterior. E muitas vezes sem jogarem nos profissionais. Aí, depois é aquela choradeira como foi com o Vinícius Júnior que mal foi utilizado e quando já era peça importante, foi embora pro Real.

 Também temos o risco de nossa própria torcida queimar os moleques, pois não vejo a imprensa tão responsável nisso. Já vi estando no estádio, isso acontecer. Claro, a torcida tende a ser mais paciente e até ligada com quem é cria da Gávea, isso está em nosso DNA, mas ultimamente, essa onda de intolerância que assola a humanidade, tem estado em nossas arquibancadas. Tenho que enfatizar que ocorre que alguns têm mais oportunidades que outros, como o Matheus Sávio, que não soube aproveitar e foi emprestado. Outros que são um mistério, como o Ronaldo, que já foi emprestado e voltou, se destacou fora e no Fla, não joga, tem poucas chances. E por último, temos aqueles que vejo a torcida já implicando como Lincoln, que sim, perdeu alguns gols, porém não é tão utilizado assim; e Vítor Gabriel, que mal ficou nos profissionais e já foi vaiado, voltando pra base e seguindo fazendo gols. Ah, teve o Jean Lucas que a galera chiava e foi pro Santos mostrar seu futebol e de lá se mandou pro Lyon. Temos mais exemplos, mas acredito que esses sejam os mais recentes.

 Para encerrarmos, acabou que Reinier estreou, enfim. Foram alguns toques na bola, muita vontade, alguns erros pelo nervosismo e por ser Libertadores, mas já deu seu primeiro passo, normal. E entrou nem pela ausência dos meias, já que Éverton Ribeiro e Arrascaeta conseguiram jogar e se alternaram em campo. Reinier entrou mais pelo problema na perna do Gabriel. Enfim, tudo deu certo.

Agora não tem mais essa desculpa de que o Reinier vai se queimar, já teve seu batismo, deixa o guri jogar!

 Obs: em tempo – hoje, o Flamengo é o clube que mais forma e vende jogadores, então por que não exploramos melhor isso? Usemos os estaduais como laboratório, vamos fazer os Garotos do Ninho voarem alto aqui e ganharem o mundo uma vez mais!

Leave a comment

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *